quinta-feira, março 01, 2007

Já não há pudor (cont.)

O problema é mesmo o decote de Fátima Felgueiras.
Se estivéssemos num país sério, o problema seria o saco azul, as alegadas irregularidades que a senhora cometeu, a fuga de informação que permitiu que ela soubesse que ia ser presa, a fuga para o Brasil, o facto de se ter classificado como a "primeira exilada política da democracia portuguesa", o circo mediático.
Mas, convenhamos, trata-se de Portugal. Um país onde Fátima Felgueiras e Isaltino Morais, apesar das suspeitas de que são alvo, concorrem e GANHAM eleições. Onde o poder local é do mais corrupto que há e ninguém faz nada. Onde o Alberto João Jardim faz e diz o que quer. Onde se criam leis de excepção. Onde 64% das pessoas diz ser a favor da realização de referendos, mas onde menos de metade votou. Onde o Benfica é a preocupação número um. Onde o Ministro da Economia se gaba, perante os chineses, de que a mão-de-obra portuguesa é barata. Onde o livro da Catarina Salgado chega ao top de vendas. Onde se realizam filmes como o Odete. Onde os jornais desportivos vendem mais que O Público. Onde Santana Lopes foi Primeiro-Ministro. Onde..., onde..., onde...
Sim, o que importa aqui é o decote de Fátima Felgueiras.

2 comentários:

Ricardo Sebastião disse...

essa do Benfica ser a preocupação número 1 tem muita razão de ser atenção! :D

Mauro disse...

Já dizia um malogrado comentador desportivo radiofónico "... é disso que o meu povo gosta..."