segunda-feira, março 26, 2007

Drink to the revolution

Taybeh é conhecida pelo azeite e pelo mel (ou não fosse esta the land of milk and honey). Mas também é conhecida (e isto sim é que interessa) pela sua micro fábrica de cerveja - a Taybeh Beer. A cerveja é boa, mas claro que a etiqueta "palestina" ajuda a vender, não só nos territórios, onde a população prefere beber a sua própria cerveja do que a israelita, mas também nos países para onde é exportada, porque afinal há que apoiar o povo ocupado. As garrafas eram importadas de Portugal, mas parece que uma vez os contentores ficaram retidos nas alfândegas israelitas durante meses e o que a empresa pagou pela espera foi mais do que pela mercadoria. Tiveram que deixar de importar e passar a comprar de Israel.
Quando o Hamas ganhou, imaginou-se logo a total islamização dos Territórios Palestinianos e pensou-se que a fábrica pudesse fechar, caso o álcool fosse proíbido. Bem, já há solução: a cerveja sem álcool, cuja garrafa até tem as cores do Hamas (verde) para os senhores ficarem mais contentes. Mas o próprio dono da cervejaria acredita que não tem com que se preocupar porque o Hamas tem mais problemas do que a cerveja.
Por estas bandas, o consumo pode ser do mais engagé possível: existe o Peace Oil, um azeite produzido conjuntamente por judeus e árabes; a Taybeh beer que promove o drink to the revolution, e os vinhos produzidos nos Montes Golã e que, pelo menos na Suécia, têm que levar o rótulo "produzido em território ocupado". Só não dá muito jeito é consumir produtos dos colonatos, porque estes não são reconhecidos pela UE.
Em conclusão: em Jerusalém ocidental eu beberei Maccabi, em Jerusalém oriental passarei a beber Taybeh. Para demonstrar a minha neutralidade.

2 comentários:

Filipa disse...

Um dia lá no árabe ao pé da Cité U, onde nos íamos abastecer para as nossas quick party, apanhámos uma garrafa de Mecca-cola! Já não tenho bem a certeza do nome, mas era algo deste género, com bastante verde lá pelo meio e um pequeno sinal a dizer que alguns tostões da compra iam para um fundo palestiniano de apoio à infância.

Susaninha disse...

Árabe ao pé da cité?! Não conheço. Eu só ia ao Franprix comprar produtos leaderprice.
Mas conheço a Mecca Cola perfeitamente. Fiz uma exposé para a Scpo sobre ela (os meus trabalhos eram de um nível...)