quinta-feira, dezembro 28, 2006

Memória Selectiva

Os meus irmãos queixaram-se que no Natal só receberam roupa. Felizmente, têm uma irmã que, apesar de ter idade para ser mãe deles, não se esqueceu do que é ter seis anos e da absoluta necessidade de brinquedos.
É curiosa a memória selectiva dos adultos. Nunca se esquecem daquilo que antes era diferente: no meu tempo não era nada assim, não havia nada disto, antigamente era o Menino Jesus e não havia Pai Natal (como se o destinatário dos pedidos diminuisse o consumismo da época), porque o Pai Natal é uma invenção da CocaCola (essa marca americana maléfica que não se inspirou nas tradições holandesas e que criou um velhinho apenas para manipular as criancinhas mais incautas), porque no meu tempo é que era...
Esses mesmos adultos esquecem-se com bastante facilidade do que era exactamente igual no tempo deles. Preferir brinquedos a roupa. Roubar chocolates no suposto esconderijo dos doces. Fumar atrás da escola. Ter uma negativa. Ver um filme pornográfico. Comer as bolachas todas e deixar lá o pacote vazio. Apanhar uma valente bebedeira. Dizer não fui eu, não fui eu! Fumar uma ganza. Ficar sozinho em casa e cortar os cortinados da sala para se distrair (humm, esta se calhar fui só eu...). Roubar uns trocos do porta-moedas dos pais. Chegar a casa duas horas mais tarde do que era suposto. Mentir aos pais. Faltar às aulas. Não fazer os t.p.c.
Eu não fiz estas coisas todas. Fiz umas e não outras. Decerto houve quem fizesse as outras e não as umas. Que atire a primeira pedra quem nunca fez pelo menos uma delas. Mas, claro, no tempo deles é que era, agora já não há valores e as crianças só dão dores de cabeça.

2 comentários:

Caroli disse...

Desenhar nas paredes : ) Ouvir atrás das portas : ) Fazer grandes birras sonoras sem uma única lágrima! Cravar um garfo no olho dos irmãos..?? Hummm...esta se calhar fui só eu e não tenho orgulho.. mas não atiro a primeira pedra, definitivamente! E roupa no sapatinho só "apreciava" o bonito pijama cor de rosa com o ursinho na frente e, claro, os sapatinhos de lã tricotados com carinho pela minha Avó! Como é bom ser criança...

gui disse...

E enfiarem te a cabeca dentro de um balde cheio de farinha? E fecharem te dentro de uma mala de viagem?? ..Estas se calhar so a mim é que me acontecem... Ggggrrr.. Que dor de cabeca as "outras criancas"!!