segunda-feira, dezembro 18, 2006

Como manter diálogo em hebraico...

... sem saber dizer uma frase completa:
Dirigo-me ao balcão dos sufganyot. Digo Shalom com um ar muito bem disposto e a seguir Arba (quatro. Como eu só sei contar até oito nunca me posso esticar muito nas compras). A empregada diz qualquer coisa que eu imagino, dado o contexto, que seja De quais? Faço um ar descomprometido e aponto para os que estão mais próximos de mim, passo que já tinha sido calculado aquando da aproximação ao balcão (aqui não grandes hipóteses da técnica falhar, uma vez que, como os israelitas nunca fazem filas, dá sempre para escolher de que lado do molho e da fé em Deus queremos ficar). Ela balbucia umas coisas em hebraico, das quais eu percebo apenas shekels. Como eu não sei quanto é que ela me pediu dou a nota mais alta que tenho, just in case. Ela volta a dizer mais não sei o que, mas como oiço a palavra argorot (cêntimos), depreendo que ela me esteja a pedir trocos. Digo Lo (não), com um ar pesaroso. A empregada dá-me o troco e vou-me embora toda contente e a sentir-me uma verdadeira israelita que fala hebraico e come sufganyot no Hannukah!

2 comentários:

Caroli disse...

Adoro.. : )

Chimaera disse...

Isso lembra-me uma história na Hungria. Peço 3 bilhetes para Estergorm (i.e. digo o número e nome da cidade) e a senhora deve ter achado que pronunciava tão bem que me diz o preço em húngaro... ora como só aprendi a contar até quatro a coisa ficou um bocado complicada e lá depois de fazer uma careta de quem não está a perceber um corno lá me mostrou o visor com o preço.

Era muito interessante comunicar-me na Hungria, porque fora de Budapeste ninguém fala inglês, há uns velhotes que falam alemão que também não falo. Imagino que seja tão estimulante como praticar hebreu ou hebraico não sei como se diz.

Beijinhos