segunda-feira, outubro 23, 2006

Guardiãs da moral e dos bons costumes

Este tipo de pessoas é a coisa mais irritante e hipócrita ao cimo da Terra. E o pior é que elas estão por todo o lado e são de todas as nacionalidades. Eu concretizo:
Duas dinamarquesas estavam a comentar o facto de um amigo nosso, também dinamarquês, ter muito sucesso com as israelitas. Eu disse que o achava muito giro e por isso percebia a população feminina local. Ao que uma delas se apressou a dizer: "Pois, mas olha que ele tem namorada." Acaso alguém lhe perguntou alguma coisa? Acaso disse eu que queria ter alguma coisa com o rapaz? Acaso não deveria ser ele, que engata uma diferente todas as semanas, a ser relembrado que tem namorada? Acaso pensaria ela que, se eu estivesse mesmo interessada nele, desistiria só porque ela me lembrou da namorada?
A reacção da rapariga só me leva a pensar duas coisas: ela não tem vida própria e é ela quem está interessada nele, só que, ao dar uma de púdica e moralizadora, não consegue mais do ser amiguinha.
Se o rapaz trai ou não a namorada é um problema dele. Se eu quiser ter alguma coisa com ele (que já tive a oportunidade e recusei), tinha e ponto final.
Se as pessoas têm valores morais assim tão fortes, pois fico muito feliz por elas, mas que os guardem para si e não os tentem impôr aos outros.
Coitadinha, eu vou levá-la às Sisters cá do bairro para ver se a amargura lhe passa.

4 comentários:

francisco luís meireles disse...

Olá dra!

Notei uns leves sintomas de irritação... seria por ser 2ª feira? Ou a dra, bem como as 2 amigas dinamarquesas, padece de um outro mal: a falta de macho?
É claro que concordo com o desprezo à malfadada moral e mil vivas para esse bravo dinamarquês que promove a alegria onde ela tanto escasseia. Talvez seja mesmo a falta de um bom português...

Susaninha disse...

Talvez...

francisco luís meireles disse...

Pois...
Mas quando regressa a nossa douturinha ao nosso malfadado país?

Susaninha disse...

Quando o conflito do Médio Oriente o permitir. Vida atarefada, esta a minha.